Blog Corpo e Arte na Era Digital

Interação homem-máquina

UMA ABORDAGEM HISTÓRICA DOS PRINCÍPIOS

De acordo com Paul Virilio, uma das consequências mais perceptíveis da tecnologia e, em particular, da rapidez, é a mudaram a visão do mundoe, nesta seção, entrei algumas considerações que me interessaram porque nos questionam sobre como os papéis do trabalho e o artista evoluíram em relação aos novos meios de comunicação.
Seguindo Manchán Fiz, a arte eletrônica é desenvolvida com a popularização do vídeo e seu uso nos movimentos renovadores dos anos sessenta.Embora em um primeiro momento foi um vídeo arte televisão ersatz logo definiu sua própria língua e suas diferentes expressões: escultura vídeo, performance de vídeo, vídeo-instalação, onde a representação do corpo é muito comum.
 
Pioneiro da videoarte foi o artista coreano Nam June Paik (1932) também destaca o artista Bill Viola (1951) com base no princípio de que o vídeo é uma forma de artista comunicação se fazer que é sempre apresentar o seu própria imagem. Gary Hill, pretende mostrar o vídeo através do inconseqüente dos seres humanos, Bruce Naumann coienza para explorar as profundezas da paisagem da psique humana em um desejo de tornar visível a insondável, Marijo La Fontaine, etc.
À medida que se progride no desenvolvimento da tecnologia e com a transição da cultura analógica para a digital, há uma quebra na linearidade da comunicação e, com ela, uma complexidade dos modos de produção. Assim, uma linearidade produtor (artista-obra-receptor), passou uma produção cada vez mais complexa não linear, em que não apenas o número de pessoas envolvidas é estendido e o lugar físico de produção é diversificada, mas muitas vezes o produto se torna algo imaterial, uma imagem em movimento que, sem valorização como mercadoria de mudança, escapa à tradicional concepção burguesa de possessão.
Por outro lado, com o desenvolvimento da arte especificamente cibernética, gostaria de destacar novos fatos que condicionaram as conquistas artísticas nas últimas décadas e que devem ser levados em conta:
· As formas computáveis ​​são inseparáveis ​​do desenvolvimento tecnológico em seu processo e em sua inteligibilidade, essas formas não nasceram no mundo dos artistas profissionais, mas nas grandes empresas: Bell, Boeing, Westinghouse. Siemens, General Motors. O desenvolvimento da arte tecnológica tem a ver, portanto, com o atual domínio social, embora nos últimos anos tenha tendido a tornar-se popular e a deixar de ser representativo da produção capitalista.
· É importante estar ciente de que além das representações icônicas de qualquer tipo, o computador é um meio de conceber arranjos estruturais que se tornaram um instrumento auxiliar para a criação de ordens estético-artísticas. A estética do computador, segundo Bense, é uma estética numérica, está interessado em valores numéricos e sua relação com complexidade e ordem.
· Devemos assumir a relação de linguagem e tecnologia (verbal, por linguagem e tipo matemático) para entender que a tecnologia, como ferramenta linguística, está exercendo um feedback com o cérebro humano mudando consubstancialmente em progressão, e isso é interessante para entender a relação do corpo com a tecnologia do ponto de vista do espectador.
· Marchan Fiz também afirma que na arte cibernética no início dos anos 60 e 70 encontrar as possibilidades emancipatórias do meio é dado, pretendido pelos artistas nesta linha têm de Antoni Muntadas defendendo uma postura crítica de artista: "os artistas devem manter a mesma posição fundamental que está na base das obras mais brilhantes da história da arte, as suas raízes num tempo e num lugar de trabalho específico, ou seja, em um contexto".
Passamos da Arte da Reprodutibilidade Técnica, defendida por Walter Benjamin, para a Arte da era da reprodução digital. Não há distinção entre original e reprodução. Em filmes, mídia eletrônica ou de telecomunicações. O conceito de autoria é transformado, um conceito que já foi questionado por Marcel Duchamp com o ready made. Dada a sofisticação progressiva da mídia, o artista está ciente de que o conceito de autoria é cada vez mais um processo colaborativo de cientistas, técnicos e engenheiros.. O conceito de oficina do artista não é mais significativo quando o mundo virtual da rede se torna seu estúdio e possibilidade de exibição.
· Muitos artistas trabalham com tecnologia para dar um significado diferente do seu propósito técnico intrínseco, tentando descobrir os mecanismos de sedução e aqueles que regulam o significado. Para muitos artistas, a rede representou um contexto sem precedentes para investigar, mas uma última onda de artistas nasceu com o computador e considera o espaço virtual como o único ambiente no qual se pode experimentar. Seu discurso é comparável aos experimentos de decodificação da linguagem da mídia típica dos artistas pós-modernos americanos nascidos na década 80. Os net-artistas não são obcecados pela evolução contínua da tecnologia, mas, acima de tudo, artistas que decodificam a linguagem usada pelas novas mídias.
FOTOS

FOTOS

Diferentes dinâmicas experimentais coletadas em fotobooks.
e

&

Na seção de fotobooks, você também encontrará alguns livros de mumoristas.
BLOG

BLOG

Corpo e arte na era digital
e

&

Algumas infografías adquirem um personagem pictórico e se tornam fotopints.
VIAGENS E RELATÓRIOS

VIAGENS E RELATÓRIOS

Fotografias pessoais de diferentes viagens ao longo do tempo